Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

sobre estados de alma e outras insignificâncias... :)


27
Fev16

co incidências

por Lazy Cat

Estava por aqui a pensar que não sabia o que escrever hoje e resolvi dar uma volta pelos blogs pra os quais tenho link no LazyDays. 

Econtrei isto:"Li isto há pouco tempo, na autobiografia de um filósofo americano: o lugar em que nos encontramos pode ser perigoso, mas se lá estamos, é a nossa casa naquele momento; ou domesticamos esse espaço, conquistando-o, ou estaremos sempre a começar do zero." nos AnimaisDomésticos

 

E, acontecimento estranhíssimo, isto serve-me na perfeição.

 

Vivo aqui há cerca de 2 anos, mudei de casa 4 vezes e estou em contagem decrescente para a próxima: saio desta casa até ao dia 5. Há menos de uma hora dizia a mim-própria que tenho saudades da cidade. E tenho. Muitas. Mas também há imensas vantagens em viver aqui. E tenho consciência delas. No entanto...no entanto, talvez falte exactamente isso: domesticar este espaço. E não, não falo da casa. Falo do tempo/espaço em que vivo. É verdade que se a casa não é confortável, o dinheiro é curto, etc...tudo o que diz respeito à parte prática da vida se torna muto mais difícil. Ou será que é difícil porque no fundo no fundo continuo a achar que o meu lugar não é aqui, que os meus projetos não têm lugar aqui. Ou, simplesmente porque a relva da vizinha é sempre mais verde que a minha? Ou talvez sejam estas considerações apropriadas a um dia de frio e chuva. Mas desta vez a mudança (recomeçar do zero) pesa como nenhuma outra antes. E tive que pedir ajuda, em vez de fazer tudo sozinha, como sempre fiz antes. 

 

Talvez esteja na hora de domesticar(me)? 

domesticar-me.jpg

Les experts n’arrivent pas à déterminer si nos matous sont une espèce apprivoisée.
link

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

no thing

No luxury and no comfort, no delight and no pleasure, no new liberty and no new discovery, no praise and no flattery, which we may enjoy on our journey, will mean anything to us if we have forgotten the purpose of our travels, and the end of our labours (Isaiah Berlin)





"If you are lucky enough to find a way of life that you love you have to find the courage to live it."
John Irving