Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

sobre estados de alma e outras insignificâncias... :)


12
Mar13

trust me!

por Lazy Cat

 

Por vezes, mais vezes do que parece possível, dizemos ou, pior ainda, escrevemos tudo aquilo que precisamos de ler mas, ironia do destino, não damos por isso! Quando alguém escreve coisas como “concordei em confiar” está na cara que lá no fundo não confia. Mas, em vez de parar para se reler, interiorizando o sentido das palavras escritas, ficamos presos à ideia, neste caso, de algo como: “Aceitaste, não quiseste dar parte de fraca, agora tens que levar isto até ao fim”. O que pode ser de louvar em muitas circunstâncias. NUNCA quando se trata de confiar! Como é possível alguém “concordar em confiar”?! Confiar é uma coisa que vem lá do fundo! Que nos é tão natural como reter a respiração! Nós, à partida, desconfiamos! Analisamos, perscrutamos e depois, se tivermos bases para isso, avançamos! E isto é assim desde que somos crianças! Aliás, as crianças que nós já fomos avaliavam muito melhor pessoas e situações do que os adultos em que nos tornámos. Sim, estavam livres do peso da experiência….e isso por acaso é algo que abone a nosso favor? Não, pois não? Se em crianças sabíamos fazer tão bem e ao longo da vida tivemos tantas oportunidades de aprender…devíamos ter aprendido. Ter aprendido entre outras coisas que, chegado ao ponto em que a criança, depois de uma avaliação cuidadosa decide depositar confiança em alguém, não o faz concordando de mau grado com algo que lhe está a ser pedido por alguém! Podem vir pais, avós, a família inteira; quando a criança decide que “não gosta” de alguém, nada a faz mudar de ideias! A não ser, por vezes, o tempo e, mesmo assim, será sempre uma relação cordial e jamais uma relação do coração! Concordar em confiar são dois-terços-de-caminho-andados para a tristeza e a desilusão. Se não é de coração, se não é lá do fundo fundo, se requer esforço, provavelmente não é o que devia ser. Não sei grande coisa, tanto assim é que a vida ultimamente se tem encarregado de me ensinar uma série delas da pior maneira e no entanto sei que fazer o que quer que seja que não envolva os cem por cento do coração ou que nos deixe com um por cento de dúvidas ou incerteza é a receita perfeita para o descalabro. Sobretudo se envolve pessoas de quem gostamos. Seja ele muito, mais ou menos.   

 

 

imagem: idlehearts.com

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Imagem de perfil

De Lazy Cat a 21.03.2013 às 17:06

hummmm....amor ferido de morte...é triste!

não vamos discutir conceitos quando naquilo que escreves está a mágoa de ter perdido um amor, quero acreditar que ficando até que mais não fosse possível e direi então apenas isto:

Lamento que tenhas tido que passar por isso!

Um beijo, seja lá quem e de onde fores e bem haja!

Come back Always!

Lazy
Imagem de perfil

De alwayswithyou a 22.03.2013 às 11:24

Obrigada pelas tuas palavras

Vou voltar sempre, sim. Adoro o teu blog :))

Um beijo
AWY

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

no thing

No luxury and no comfort, no delight and no pleasure, no new liberty and no new discovery, no praise and no flattery, which we may enjoy on our journey, will mean anything to us if we have forgotten the purpose of our travels, and the end of our labours (Isaiah Berlin)





"If you are lucky enough to find a way of life that you love you have to find the courage to live it."
John Irving