Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


capture

21.11.13

sendo este o primeiro hábito da lista, foi por aí que comecei e, devo dizer, comecei e continuei muito bem. muito bem mesmo. desde o dia em que tomei a decisão de reorganizar a minha vida, os meus dias, o meu tempo, capturar e lidar com ideias, informação e papéis tornou-se fácil. tornou-se o que se pretendia: um hábito. e não, não custou nada! o resultado vê-se tão rapidamente que apetece continuar a fazer assim e até arranjar maneiras de melhorar! 

 

habituei-me a registar ideias, coisas que preciso/quero fazer, imediatamente. isso, acreditem ou não, retirou peso à minha vida. sei que se não fizer imediatamente farei ainda assim a tempo pois tudo o que é registado é tratado no dia ou na manhã seguinte. isto porque não pretendo ser muito rígida em relação à forma de tratar tudo quanto tenha sido capturado porque a minha vida é tudo menos previsível, há alturas em que me caem emergências do céu e tenho que me manter flexível. assim, é obrigatório lidar com a to-do list uma vez por dia mas não num horário específico. 

 

este hábito é verdadeiramente libertador. o facto de, quando o assunto nos volta à cabeça, pensarmos, "está agendado" em vez de "ai, esqueci-me!", ainda que pareça insignificante, não o é. traz consigo um sentimento de descanso, alívio, de coisa bem feita que sabe muito muito bem. nada é perfeito, claro, por vezes falho porque para fazer alguma coisa na lista preciso de coisas que deixei em casa. acontece, mas não me culpo como fazia antes. re-agendo a questão e pronto. 

 

portanto, capturar o pensamento, ideia, desejo, tarefa, colocando por escrito, tem duas vantagens: nunca fica esquecido e, liberta! libertando espaço mental, retira peso à vida. à minha retira certamente! deixei de me preocupar com imensas coisas pequenas porque sei que, dentro de um tempo razoável senão perfeito, as coisas serão feitas. 

 

process é a segunda tarefa e, tornou-se também mais fácil. procrastinar deixou de ser um hábito. em vez disso ganhei outro com que acho, um dia destes, me vou irritar: antes de fazer o que quer que seja, penso em quanto tempo vai demorar. se bem que isso me ajude a fazer logo as coisas que não demoram nada, fico por vezes a pesar a vantagem de fazer agora versus fazer depois...coisas de balancinha, só isso. 

 

descobrir que sou capaz de me organizar, que ganho tempo e paz com isso e. sobretudo, que me agrada ser organizada, que facilita a minha vida, etc e tal, faz-me acreditar que posso vir a fazer o mesmo a nível profissional, não só para mim mas para outros, aliando assim estes novos hábitos (sim, ainda recentes e "por confirmar" on the long run) mas, já voltei a considerar um projecto mais ou menos antigo: trabalhar sem rede. 

 

a organização é importante. não só ter "regras" mas saber ser flexível, não contornando mas adaptando. talvez seja maturidade, mas creio que,  estamos todos a passar por um período em que é obrigatório nos questionarmos e avaliarmos a nossa vida, sendo sinceros (ser sincero por vezes é ser duro) na avaliação que se faz da mesma e do que deve ou não ficar porque, o que não acrescenta coisas boas, não faz cá falta! descobrir, aos quarenta anos passados que afinal o que  importa é estarmos bem com o que fazemos e procurar maneiras de estarmos melhor sem ligar muito aos que pensam ou dizem os outros porque afinal (apesar de pregarem e quererem mostrar o contrário) são tão falíveis ou mais que nós, fez-me bem. foi como um despertar. e gosto muito deste novo dia em que acordei. 

 

capture => done! 

process => done! 

plan=> em processo de implementação

focus=> em processo de integração! 

 

a propósito de focus, escrevi um artigo inteiro, que será publicado em breve! 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



sobre estados de alma e outras insignificâncias... :)

"If you are lucky enough to find a way of life that you love you have to find the courage to live it."
John Irving



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Curiosity killed the cat...

foto do autor


no thing

No luxury and no comfort, no delight and no pleasure, no new liberty and no new discovery, no praise and no flattery, which we may enjoy on our journey, will mean anything to us if we have forgotten the purpose of our travels, and the end of our labours (Isaiah Berlin)

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D


Gatos cuscos



Visitas