Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


amour

13.11.13

"amor es el juego en el que un par de ciegos juega a hacer-se daño"

 

 

mesmo sabendo e sentindo que não é sempre assim, ou que não é suposto ser assim, ou que se se magoam é porque não há/é Amor, não deixo de sentir esta frase como verdade de certa maneira. porque, em nome do Amor, todos já cometemos as maiores barbaridades. e todos dissemos pelo menos uma vez sofrer por amor. é mentira, sofre-se por falta de Amor. 

 

seja como for, o Amor toca e provoca todos os outros sentimentos, carrega em cada um de nós uma multitude de botões (que muitas vezes nem sabíamos ter) e obriga-nos a enfrentar o melhor e o pior de nós. sim, é exactamente isto. e sim, o Amor dá trabalho. muito.  e sim, o amor faz sofrer. mas só quando deixa de estar, de ser (de nos ser retornado) na medida em que o desejamos (ou achamos que precisamos!)

 

esta imagem é de um dos filmes que mais me marcou no último ano. vi este filme sozinha entre vários, numa sala de cinema pequena, e pude observar muitos dos que lá estavam comigo, à saída, e sei que quase todos foram tocados profundamente pelo filme. vi sair um casal de mãos dadas, silenciosos, muitos encostadinhos um ao outro, os olhos no chão. mulheres e homens sós. todos em silêncio. vi o pequeno grupo que estava na sala debandar, literalmente. cada qual para seu lado e muito depressa, não fossem os outros ler-lhes nos olhos as emoções, as lágrimas contidas, as desilusões, os sonhos ainda, as esperanças, os quereres, os sofreres..

 

durante o filme, respirámos em conjunto, escondemos lágrimas em conjunto, retivemos juntos a respiração. mas isso foi ao abrigo das luzes apagadas. à luz branca e fria das lâmpadas fluorescentes, todos baixámos a cabeça e saímos porta fora, à procura de algum tipo de aconchego. 

 

sabem porque é que vos digo que Amor não faz sofrer e é uma coisa boa?

 

nessa noite em que voltava sozinha para casa, percorrendo uma estrada vazia, escura; nessa noite, enquanto era assaltada por milhares de sentimentos e sensações, e em que, confesso, me senti mais sozinha do que me lembro de alguma vez ter sentido (excepto um dia numa estação de comboios), ele telefonou. foi ele quem me acalmou, me afagou a alma e o coração e falou comigo até eu conseguir adormecer. 

 

amar não nos torna perfeitos, amar não nos impede de cometer erros. e, se é um jogo em que nos ferimos, sofremos e magoamos, não é por amor, mas por tudo o que há em nós por curar e que só por e pelo amor, alcançamos. 

 

PS: não vejam este filme. chama-se AMOUR. e fala do nada que somos perante a inevitabilidade 

Autoria e outros dados (tags, etc)



sobre estados de alma e outras insignificâncias... :)

"If you are lucky enough to find a way of life that you love you have to find the courage to live it."
John Irving



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Curiosity killed the cat...

foto do autor


no thing

No luxury and no comfort, no delight and no pleasure, no new liberty and no new discovery, no praise and no flattery, which we may enjoy on our journey, will mean anything to us if we have forgotten the purpose of our travels, and the end of our labours (Isaiah Berlin)

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D


Gatos cuscos



Visitas