Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


assertividade

14.08.13

 

 

1. vem de “ASSERO” que significa afirmar. Atenção! Afirmar não é acertar! Portanto, não se trata de acertar, mas de saber se firmar e afirmar. “ O meu espaço vital é o espaço mínimo necessário para que eu me sinta feliz”. A Assertividade é a arte de defender o meu espaço vital sem recuar e sem agredir. Ser assertivo é ser pacífico sem ser passivo. Colocar o que pensa respeitando a opinião do outro.

 

2. Capacidade de dizer o que pensa, no momento certo, sem ofender, magoar ou agredir quem o ouve. Capacidade de intervir adequadamente numa situação que pode levar a conflito, evitando-o. 


(definições livres do dicionário informal)


e todos nós fazemos isto, todos os dias. ou a maioria de nós. sim, nem todos temos a calma e o conhecimento necessários para isto. para gerir a vida, todas as partes da vida, um degrau acima. ou um degrau ao lado, pouco importa, importa sim que quero dizer de um patamar diferente, de um lugar onde se olha para as coisas, se sentem e vêm as coisas e se age em vez de se reagir. 


reagir, nem sempre será a melhor das coisas a fazer, sobretudo porque, regra geral, reagimos mal. fruto da vida, do passado, das experiências, a nossa reação será sempre fundada naquela experiência (pode ser única) que correu mal e não nas (muitas vezes repetidas) que correram bem. porquê? não sei. talvez seja um reflexo de auto-defesa. em caso de dúvida, atacamos logo e começamos a resolver o assunto. ou então...complicamo-lo!  tratando-se de alguém que nos é próximo a reacção será certametne exagerada, desproporcional e terá resultados diametralmente opostos aos que pretendiamos, se é que pretendíamos o que quer que seja (quem reage não pensa). e passamos a ter duas situações distintas, que se vão enrolar uma na outra e intricar-se de tal maneira que acabarão por se tornar um novelo de diz-que-disse e mal-entendidos que só um santo terá paciência para desenrolar.... (pois, pois!) 


a questão incial, fosse qual fosse, fica camuflada sob a segunda (a reacção despropositada -ou não) e, o novelo começa a crescer. alimenta-se das dúvidas, que já não se vão esclarecer, dizendo que é para não complicar mais, das incertezas, de todas as inseguranças que, de repente, se alinham à nossa frente e formam a linha avançada do inimigo....inimigo??? oh sim! inimigo!!!! a partir do momento em que nos sentimos tremer o outro passa a ser o inimigo. importa lá saber se trememos porque as nossas fundações não eram sólidas ou porque ele lhes bateu com demasiada força?! a única coisa que importa é que ali, à nossa frente, está o nosso maior inimigo neste momento! e é para a-ba-ter! isto é válido seja ele/ela o nosso patrão, superior, director, colega, mãe, filha, prima ou companheiro/companheira. sobretudo se for o nosso companheiro(a). 


onde raios entra a assertividade nesta converseta toda, miúda?


aqui. há um ponto, chamado de não-retorno, de que todos temos noção. temos, ou deveríamos ter. eu, por exemplo, tenho a noção clara de que passo facilmente deste ponto. nem sempre, e sobretudo não com o objectivo de magoar ou atacar, mas, presa às minhas próprias falhas, lanço-me numa torrente de palavras, dizendo o que quero e o que não quero. porquê? porque muitas vezes estou a reagir às palavras, à luz das minhas experiências passadas, sem ter noção de que as circunstâncias mudaram e logo a minha maneira de (re)agir também deverá mudar. como diz alguém que conheço, o problema não é o erro, é a falta de consciência do erro. então, eu tenho tendência para cometer o erro de ser precipitada nas respostas que dou a assuntos que me são trazidos de maneira inesperada e, com isso, perco a capacidade de ver as várias prespectivas da situação e de agir(assertividade) em vez de reagir(agressividade). 


tendo esta noção, já consigo dizer (sim, aprendi estalando os dedos!): "neste momento não estou preparada para esta conversa. podemos por favor falar deste assunto tal dia, a tal hora?" se a outra pessoa concordar, tudo bem. faço o melhor que sei e posso durante esse tempo para ver a questão de todos os lados, prismas, angulos, o que lhe queiram chamar. tenho também consciência de que durante esse lapso de tempo, algumas questões relacionadas com o assunto se esvaem, não eram afinal tão importantes assim, enquanto outras crescem e se posicionam de maneira diferente. aliado a isto, conisgo perceber que também a outra pessoa, fruto das suas próprias experiências e do conhecimento das minhas reações(no passado) me traz o assunto da maneira que lhe pode parecer a melhor para não me atacar e eu sinto-me, ainda asim, de certa maneira agredida. também consigo, neste tempo de pausa, ver a posição do outro, de várias maneiras. da minha e de outras perspectivas e consigo perceber que também o outro precisa de tempo para pensar melhor nas questões que lhe ponho e que são também estas, novidade para ele. 


voltando à assertividade, sim, porque era esse o tema, deveria fazer parte daquilo que se ensina na escola desde o primeiro dia e até ao último! para se tornar um reflexo, algo automático, e cada vez mais integrado em nós. não é uma coisa fácil se se trata de relacionamentos, é complicadíssimo de fazer e é exactamente no relacionamento e do relacionamento que nasce a necessidade de se ser assertivos. ora bolas!!!! 

nas relações de afecto, sobretudo, sejam elas quais forem, ser-se assertivo é ver a situação, como escrevia num post lá atrás, da perspectiva do amor que se tem ao outro. é a única posição, seja qual for a situação, que garante a calma, serenidade e distânciamento necesários para se agir em vez de reagir. e a úníca que conheço da qual nascem soluções/resultados que trazem acima de tudo, paz a todos os envolvidos. 


não sabem como é que isso se faz?! fácil, vão aprender ora essa! ou as pessoas de quem gostam não valem o esforço?? e gostam delas? sim??????? ok....quem sou eu para julgar o que quer que seja....  have a very nice life folks. and a great day today! 




e riam-se! sim, porque se há coisa que eu poderia dizer a mim-mesma no fim desta tirada toda sobre a assertividade essa coisa seria exactamente algo como isto!!!!!! (não resisiti, tinha que colocar esta imagem aqui!) 



Autoria e outros dados (tags, etc)



sobre estados de alma e outras insignificâncias... :)

"If you are lucky enough to find a way of life that you love you have to find the courage to live it."
John Irving



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Curiosity killed the cat...

foto do autor


no thing

No luxury and no comfort, no delight and no pleasure, no new liberty and no new discovery, no praise and no flattery, which we may enjoy on our journey, will mean anything to us if we have forgotten the purpose of our travels, and the end of our labours (Isaiah Berlin)

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D


Gatos cuscos



Visitas